sábado, março 21, 2015

RESUMO DO CAPÍTULO 112 DE "A CONVENCIDA"


Ritinha se irrita com Renatinho. Hortência joga toda culpa em Héctor. Oliviano passa um corretivo em seu subordinado, Zacarias. Otávia descobre por meio do DNA FOR FUN que pode ser filha de Golias. Inezita alcoolizada pega o carro de Iglesias escondido e bate com tudo na Borracharia do Geninho. Sangra até que o enfermeiro Luvas chega de Bizz para socorrê-la. Luciana esnoba Eustáquio no What's App, e ele cogita em off suicídio no penhasco de Lurdes.


Corra que a Polícia Vem Aí "2 1/2" – DUBLADO

























Clássico absoluto.

sexta-feira, março 20, 2015



dizem-dizem por aí que, preste atenção: Xereta Guaraná e pedaços de laranja provocam na alma uma ereção.

quinta-feira, março 19, 2015

ELE É O NEGOCIADOR























ele pede paciência.

pede paz.

Scott aguça os sentidos da galera, com sua calma, e pertinácia. é um sujeito preocupado com o bom estar da geral, gentileza pura.

os reféns reparam e recebem esses requisitos com renovação do espírito.

bom, mas e as bad trips da vida de tira?

seus defeitos? muitos. compulsivão na jogatina ele é. gosta de apostar, jogar, apostar em demasiado nos cavalos é uma cratera em sua esfera amorosa, por exemplo.

mas vamos aos motivantes caracteres dessa fera.

ele sabe andar.



ele dirige melhor que o teu coroa com 50 anos de carteira.



ele ouve com O de omelete.


ouve, vê bem - entreolhadas tensas, você sabe.

tem noção espacial chapa quente.

tem ótimas piadas, é um homem apaixonado que aprecia um bom jantar, basta perguntar para Ronnie, sua ex-namorada.

enfim: na hora H, entre atiradores de elite e elevadores ele sabe, ele sabe negociar.

ele sabe: ora concede, ora exige, ele é o negociador.

não tem moleza, amigo.

medo da morte atrapalha nessas horas.

e se você assiste esse filmaço dublado, pode apostar: o prazer é dobrado.

é muita curtição.


Simbora pra San Francisco?




segunda-feira, março 16, 2015

DICAS ESSENCIAIS PARA UMA CAMINHADA FELIZ !


Caminhar bem é encher de cachaça o coração.

Porque a cachaça não é apenas uma bebida que mata milhões de humanos.

Cachaça é o estado célebre, expansivo da alma. Experimentar cachaça não alcoólica é experimentar uma epifania daquelas! 

Caminhar é cachaçar - é experimentar a perambulante embriaguez do espírito. 


Da euforia, do contentamento, do antigo pega-pega, só que sem piques (e sem vencedores ou perdedores).

CAMINHAR É COISA SÉRIA

Para curtir seu bem-estar você deve estar equipado.

Equipamento, vamos lá!

Vai caminhar de chinelo?

Pense bem: será que não é muito perigoso? E se um arisco jacaré morder seu dedo do pé? Aposto que você jamais permitirá desculpar-se consigo mesmo meia-noite no seu quarto.


Alguém aí, do auditório - alguém aí disse ALPARGATAS?

Isso. A senhora mesmo.

Levante-se. Pronuncie de pé, novamente. Isso! Convicta, não? Agora com mais doçura, brandura...



ALPARGATAS...




Que tal? Quer experimentar uma corridinha com esses conguinhas estilinho pão francês?

Pergunto: seria uma atitude sensata, condição correta, experimentar milhas e milhas tendo como escudo tal pisante?

Negativo, minha senhora.

Você irá sucumbir aos batalhões de bolhas, sua irritação brincará de foguete kamikaze e elas causam câncer.

Evite.

Tá legal.

E que tal ele, o KICHUTE?



Legal!

Pensa nas perspectivas.

Matagal, maior astral. Maratona dos músculos, suor estilhaçando a virilha. Você e o kichute tinindo, o cadarço envolto na canela, guerreiro.

KICHUTE vira?


Opa, é ótimo.

KICHUTE vira.

Bora bicudar bolotas! Bora brincar de pedalar sem pedais,  atravessar trajetos antecipando tropeços, e quiçá chutando a canela de algum pedestre otário.


OUTRAS OPÇÕES MAIS ACESSÍVEIS

E outra opção é andar de pés descalços. 

Sinta o sabor street.  YES! O sabor sujo do asfalto, sinta. Seja sutil e experimente o pé nu em sua jornada: perceba que pele sola calcanhar serão abençoados com uma resistência redentora, como se recebessem novos rumos, novos estímulos especiais, um Rambo chora agora em cesariana. 


Como o leitor professa saber, temos o mapa da mina no pé. É. Ele comanda o corpo. Inclusive podemos curar soluços com um simples safanão nas costas do mindinho, então por isso você sabe: pé sem medo é vida sem dor, porque pé selvagem é pé saudável.

E mais: caminhar assim, andar descalço libera a dopamina Portiolli. Mágico. Basta. Não é necessário dizer mais nada, agora.

Porque agora é curtir. 

Escolha uma madrugada. Escolha uma Avenida Mão Dupla, daquelas radicais, sem sinalização, com altos índices de morte e então boa diversão!

Essas foram as dicas essenciais! Nos vemos no próximo post. Até logo, internautas.





quarta-feira, março 11, 2015

RESENHA: INSTINCT HATE





Atravesso um novo corredor da morte. Trata-se do Instinct Hate.


Compilação chamada “Em meio ao caos, Expectativas são criadas em vão”.

Gravadas, cravadas  entre 2011 – 2012.

São 17 mísseis.

Recusa, postura é .

Paredes fortes do peso. Riffs ora rápidos ora cadenciados, tratores em lentas agonias crunch - e sempre marcados em uma bateria brutal de coração demolidor.

A capa é verde e preta, minimalismo e alma,  nasce o veneno é apenas o começo, o peso só aumenta,  são cacetadas de ACELERO gradativo, mudança rítmica intensa, entrosamento infernal – Peste Evangélica, Mexa Sua Bunda, Enfie Seu Dinheiro no Cu, três cantos profanos assumem o controle do ódio, a devastação-insubordinação nos campos, nas ruas, o vômito da real indignação, dois Guilhermes, dois destruidores em alucinantes palhetadas e baquetadas da morte, fuderosas chamas do ataque frontal sem censura, ouça em volume doente o Instinct Hate, faça-você-mesmo até o fim,  São Carlos em vísceras da atitude e sagrada correria, putrefato tesouro anti-música contra qualquer maré, qualquer mesmice, aqui o Instinct Hate.



na hora ele disse: carregar piano é pesado demais, daí a transferência de órgãos agora.

XUXA E O CASO DO TESTÍCULO


uma pessoa do bem, uma PESSOA.

Xuxa, xou. a rainha dos baixinhos.

e o " cara lá de cima" ?

A Xuxa da Globo, da mídia, ela que inspirou toda uma nação: mais que Drummond, mais que Guimarães Rosa.

uma pessoa do bem, uma PESSOA de Deus.


O que poucos sabem é que ela picotou os testículos de Mauro, o atleta.

Sim, o caso fora abafado há tempos e tempos. o caso passou longe do conhecimento das autoridades.

Insinuando após uma farta rodada de Martínis que o corpo da rainha dos baixinhos deixava a desejar, esta, tomada de súbito xilique, adicionou um artefato curioso no drink do amante. Tal expediente, tal dispositivo sem dúvida era um dos tantos que Marlene Matos carregava em sua mochila da Kalunga.

E então Mauro acordou orfão de uma das gônadas.

Antes de tentar colocar a boca no trombone e causar o maior estardalhaço na grande mídia, ele teve a notícia que sua avó Vivarina teria uma pequena queda da escada incidental programada, sabe como é né, acidentes acontecem...

Pobre Mauro, hoje triste e humilde proprietário de uma escolinha de Ping Pong no ABC.

por uma paranga

por uma paranga, uma pá de perfurações.

balas. porra, odeio a palavra gatilho.

parece que fulano saiu de casa e um pouco antes a mãe elogiou: "gatilho, hein?".

e por uma paranga, ali na esquina agora, total extermínio.

confusão era quando época era época mesmo: soco chute murro moqueta bifa pontapé.

só porque a metranca apareceu antes da máquina de escrever na história não precisamos fuzilar duas mil pessoas dentro da igreja de Slurps do Sul.

por uma paranga, crianças decepadas na creche.

por uma paranga, um pisão no crânio bêbado de Elídio Moisés.

nada mais tonto que troca de tiros. você me vê dois e respondo com uma dupla, ok? troca na redação, isso sim. troca de estiletes seminovos. troca de dadinhos.

são balas que cegam, o órgão vital deixou de ser vital e enterrado ninguém mais respira, os restos carregam histórias que outros mortos-vivos deixarão de conhecer, por uma paranga.

e então você retorna para casa.

 tudo pegando fogo. socorro, uma senhora grita e logo em seguida inflação nas chamas e a velha virou churrasco. Antônio ainda conseguiu salvar sua coleção de selos. o fogo se alastrou na peruca do ex-prefeito, enquanto no pátio a Kombi saiu no pinote sozinha, o fogo ria e comia vivo os habitantes carcomidos isqueiros números, os ossos não prestam, por uma paranga uma paulada, pófiti, a pá no pescoço do Josias, que fora violentado por 17 rapazes no seminário.

por uma paranga, uma paranga.

o verme





o verme rasteja. recebe. renega a vida, egoísta.

ontem esmagado. hoje escondido.

amanhã contrariado.

depois morto, coração dilacerado.

na brevidade, o assassinato. dentro da louca madrugada, quase que deitado, com o cano apontado, arranca a arma, que dispara em sérias alucinações entre copos de desespero.

o sangue esguicha. a parede como um balde vermelho vivo, escorre, demora...

miolos derretidos, são larvas são seres humanos cagados em sociedade.

são palavras cuspidas ao vento. são cidades de frustrações.

o verme rasteja. recebe. a vida, renega.

esmagado, escondido. apagado.

cresceu num ferro velho. perdeu o espírito de luta. não vê, vê a graxa como lua, o tropeço entre parafusos e uma velha lanterna, esquecida.

quando dormiu, sonâmbulo, para o mato partiu para cair da ponte, perdido, aleijado, a brevidade prossegue, entre o cano e o plano. 

cerrados os olhos e o cano explode tudo. terminou, Chagas.

sábado, março 07, 2015


No coração, a melancolia. 

Vejo distante e tão perto o caminhante, vagaroso tempo, talvez amaldiçoado talvez demasiado tempo.

Arrastada, nada resgata aquela paz, arrastada, melancolia arrastada, em cada impulso, em cada curva o pensamento vagaroso, dentro da noite, dentro das calçadas eu respiro, languidez, mudez do corpo, a tristeza no peito, melancolia no coração.