segunda-feira, junho 29, 2009

Ela tinha o corpo dum bolinho de arroz. E mastigada, como que se dissolvia, a preocupação saindo do banquinho da alma pra outra freguesia, de fininho. É claro que devo dizer que se a morte é a última encrenca então não há confusão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...