quinta-feira, julho 22, 2010

tragedy. desespero. nuca de boi. alface gringo na controvérsio via sms. ruge a velha vaca voadora. Venezuela on fire. laranja falante. trigo disfarçado de Zaratrusta. galão de querosene dançando valsa. viaduto verde no meu fígado recém envenenado de sobriedade. louca Albertina dá luz ao menino Oséas. figo ferro fedido no sangue ferido. novo lampejo: ele descobriu que vive morto. ao nascer do dia, ao nascer do fogo, o céu virou uma almofada de dúvidas. vou pro colchão viver de sonhos tão extensos como o alfinete que sabe não existir. o semáforo da vida sem os números.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...