sábado, dezembro 18, 2010

atiro-me horizontalmente. de mãos unidas, como numa perfeita reza, estou dentro da nuvem. embarco, não paro, o corpo segue, prossigo, flutuando em jato, surf-kamikaze-maionese. respiro azul, procurando as avenidas sem número do céu. o tempo, límpido.a saudade, infinita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...