sexta-feira, dezembro 10, 2010

Duas e poucos da tarde. Sexta "quentíssima". Sou tomado por aquela moleza quase mórbida. Dá trabalho falar com as pessoas. Parece que há esforço enorme ao empreender o "boa tarde, tranquilo?". É.

Meus resquícios de AgoraPhobia, Panic Attack, Panic Disorder voltam. Há extensa ânsia de vômito, infindável. Dentro do peito, o agente estressor é maior que os mecanismo de defesa. Amigos ao meu lado tentam me animar. Em vão. Estou numas de deprê gigantona. Morto-vivo. O pior são as lembranças terríveis dos dias de perpétuo sofrimento.

Tomo providências.

E lá se vai, a tarde de sexta. O sol se expande numas de fritar todas as mentes e corações, e estou de pé. Três e pouco da tarde. Consigo respirar. Volto a ter "petíte" - a ânsia camba da biqueira. Consigo sorrir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OUVINDO HARDCORE E LENDO ESCRITORES BRASILEIROS E DO TIO SAM

As pessoas estão sem coragem.  As pessoas brincam verbalmente nas redes sociais perpetuando o lado cômodo da vida.  Já é uma bela bos...