sábado, janeiro 01, 2011

jaz o imbecil sentimental

não. não há espaço.

quase aos trinta. porque o ano começou?

dez minutos e...andei sofrendo. andei caindo. tropeçando. o excesso de vida interior, não vou conseguir encontrar-me.

chão sem sombra. renúncia violenta de um pobre diabo não comove ninguém.

solitário olhar oceânico, lento desespero. peito dilacerado.

decepção.

através da memória?

tudo é vago agora.

tristeza. impotência. falta de sentido.

não sei se devo acreditar na vida.

profunda inquietação, amputação. o mar de angústia. marcha penosa em direção à desilusão.

acabou-se. amarro um pedra no pescoço e mergulho?

as coisas que me cercam agora me importunam. tudo me parece extremamente dispensável. por mais que tente usar da racionalidade e me acalmar, me sinto como um vulto embaçado, fracassado e incompreendido. estou sozinho.

como se pode cortar um coração?

não, a culpa não é sua. nem minha. não existem culpados, vilões, situações.

fechei os ouvidos. fechei meu coração. tornei-me insensível.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...