terça-feira, fevereiro 22, 2011


Depois dum fim de semana ultrapunksambarilóvi com a patroa no ABC, tôdvórta. 
Aopa.
Vortei pra azucrinar quem ouve "Coma Girl" e não diz ao garçom da folia que esta cancion traz um clima de Passat velho cheirando mijo de gato (na amizade), climão de garagem da vovó numas back to malandróvisky infância. Com aquela melancolia legal de final de domingão, sem responsa nas costas, só preocupado em falar merda na aula de Matemática e esperar um novo modelo de estilingue ser rifado via céu azulzão caixa de sabão em pó.

Desses finais de semana que fazem um zumzumzum espoleta na alma, sacumé? Bão demais. Ao lado de mi vida também, é covardia... Qualquer drible de pelada vira drible de Garrincha no Maraca, casa cheia. (Alma guardando 1 minuto de silêncio azulzão caixa amor pós 77)

E a semana começou tranquilona. Tô pondo em ordem lances do trampo, correrias da banda - só falta colocar nos trinks meus escritos. Mas o tempo é meu camarada chapa quente. É, chefia. (...)

Agora vou pra lençóis, não sem antes terminar umas boas leituras. Grande abraço aos amigos leitores.

(E a porra da terça-feira chegou sim, e num peidinho agradável esculpindo no ar formou-se para todos, não, não era em forma de Doritos, mas todos leram: rotina. )


Nenhum comentário:

Postar um comentário

OUVINDO HARDCORE E LENDO ESCRITORES BRASILEIROS E DO TIO SAM

As pessoas estão sem coragem.  As pessoas brincam verbalmente nas redes sociais perpetuando o lado cômodo da vida.  Já é uma bela bos...