Pular para o conteúdo principal

UM FINAL DE SEMANA COM OS GARRAFA



Sábado e domingo foram sensacionais. Dois shows do Garrafa que fizeram a cabeça nossa e da negada. Primeiro em Pira, depois em Cordeiro.

No sábadão pegamos uma carona com o mestre Barquinhos, sempre parceiro nos rolês. O resto do pessoal desceu de busão.

Chegamos em Pira e vimos um Madhouse Bar cheio. Os vários ambientes do bar (andar inferior com sinuca e o escambau, área externa pra fumantes, etc e tal) traziam teenagers e figuras novas na cena. O pessoal novo era a bola da vez, mas havia espaço pro povo dasantiga também.


Tocamos nosso set de forma furiosa e descontraída. O espaço é foda, o palco pede pra que você se movimente e agite o tempo todo. O camarim também é esquema (não que a gente se importe com tais mordomias).

Destaque para nossa versão "metal acelero" de Eterno Desempregado, que do começo ao fim contou com a performance nervosa na platéia de ninguém menos que a Shakira do Metal (e sua cabeleira esvoaçante) quando esta era apenas uma adolescente porra louca e inconsequente. 

Outro destaque da náite: cada integrante da banda ganhou 10 reais de consumação. Coisa rara pra quem muitas vezes vê negado um pedido de água da torneira.

E assim foi. A galera agitou muito no som. Rodas punks, o pessoal cantando junto a maioria das músicas. Foi bonito. Ao final, um chefia pra lá de gente fina pediu o par de baquetas do Ralph, que gentilmente atendeu a solicitação.


Em Cordeiro fomos a última banda a tocar, numa tarde que também teve a presença do hardcore empolgante e sempre bem entrosado e executado do Estação Zero, as versões clássicas punk rock no piloto do Processo Criminal e também o Kolapso Nervoso, de Cosmópolis, a primeira banda da tarde.

Dispostos numa tenda na praça, todos os presentes tiveram uma tarde/noite bem descontraída, num dia de Festa do Peão em Cordeirópolis.

Sobrou espaço até pra antes do show comer um cachorro quente num carrinho roots.

Quase nove da noite e entramos pra encerrar a bagaça.

Abrimos com Show de Horrores, na sequência veio a destruidora Cistite Cerebral que rapidamente deu lugar ao Artista Visionááárioo e vamos que vamos, Cordeiro City Rockers - o punk rock não morreu.

Outra vez houve a decisiva interação com o público. Os velhos parceiros Saulão e Feijão várias vezes assumiram os vocais, nessa festa agradável que terminou na paz e com o cansaço do velho Hebert, que não sabia o que era dormir desde a noite de quinta-feira.


Ralph e eu também tínhamos que trampar na manhã do dia seguinte. Segundona braba.


Deixo aqui um  abraço ao Maurício, vocalista do Processo Criminal e organizador do evento, que na camaradagem fez o avião e trouxe todo mundo pra Rio Claro.

Agora é ensaiar e esperar o próximo som, no dia 10 de dezembro em Sorocaba.

É a terceira edição do Punk Gol, que trará vinte bandas de todo o Brasil.

Aoopa!







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …