segunda-feira, fevereiro 13, 2012

HOJE ENGOLI UM MOSQUITO


Hoje engoli um mosquito. Conversava com duas amigas quando o intruso procurou abrigo boca adentro. Detalhe: em nenhum momento pensei em engolir pra valer a estranha companhia. O que fiz foi retirá-lo dali pacificamente. Pronto. Aoopa. E não é que o bichinho começou a perambular através do meu dedo indicador? Estava roletando na nova ponte da amizade. Estava também encharcado de saliva, com as asas grudadas. No entanto, o mosquito mostrava-se bem distante de bater as botas. Parecia feliz. 

Desse modo, gentilmente tentei me desvencilhar da criatura voadora. Com algum esforço para não prejudicar suas ações (que a essa altura consistiam em erráticas tentativas de peregrinações aleatórias) eu o estacionei na mesa posicionada em frente a este que vos fala. 


A meu convite, minha amiga Leslie se aproximou, e pode perceber que sua asa direita agora estava perfeita - em pequenas sacudidelas pra-lá-e-pra-cá o amigo avisava que seu velho ritmo estava de volta. Quando fomos reparar no estado em que a asinha esquerda se encontrava, surpresa: o mosquito arrancou para o alto, sem ao menos uma simples tentativa de adeus. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...