domingo, abril 22, 2012

AVENIDA ONZE



A mesma situação: na avenida onze, SORVETES PAGOS. Entre esta e a rua dez, Água Mineral Jorabel. Cabeças de cães lado a lado vão dominar pelo alto a fachada: abre-se a gigante Contato Pet Center, para desespero daqueles cuja empatia com animais é zero. Com a sensação de sonho, subo mais um pouco a avenida onze.



Explode a próxima promessa pela noite de Rivers: é o Nick Cave Lanches. Ao fundo, as paredes da borracharia do Boldrão, que supervisionam esta que é uma intensa lanchonete a céu aberto. A esquina do hambúrguer fervilha e o pedido forma-se distinto – trata-se do Bauru de Calabresa. Nem preciso dizer que tudo isso acontece dentro do pão francês.



Há insuspeitado romantismo na arte de manter uma tevê ligada ao lado duma chapa quente: o cinema dublado, como se um simples enredo desanuviasse o esgotamento dos humildes, que vem e arrasta o medo da morte para além do beleléu, para tal dispensando até mesmo os afazeres do controle remoto. Quantos oníricos telespectadores não pereceram felizes diante da stupid box? Mas acima da tela, existe ali o isopor.

Sob a branca mesinha de ferro armado, alcanço a poucos metros adiante a outra esquina. A madruga, o posto, a conveniência acesa: quatro carangas perfiladas no pátio, com a macacada descontando todo o varal das frustrações numa decepcionante roda de conversa numa muretinha. Enquanto isso George lê a Bíblia. Literalmente apoiado no frigir dos ovos, de leituras e lendas, o lanche cheira pré-fantástico. É aconselhável uma coca gelada como baixo e batera – e agora a tevê exibe mais uma daquelas reportagens sensacionalistas sobre nóias. Parece que mais uma vez a Verinha andou patinando nas aspirinas.

No vídeo seringas, médicos e muita falta de poesia. Numa pequena bacia branca, muito bacana, lá vem aquecido o meu pedido. Dividido em duas partes. Levemente apimentado, sem exageros na composição geral, e com muito cuidado na antevisão da engenharia da ogra mordida, posto que nada caiu fora do contexto. Foi um dos pedidos mais rápidos que tive contato nos últimos meses. Talvez mais rápido que a eficiente e recém inaugurada Morada da Pizza.

Durante o segundo tempo o tubo de maionese é acionado. Puts, o doutor é o House, o canal é a Record e o maluco só pode ser crente. Hora de pagar a conta. Passando pelo Bar da Marcinha, no entanto, os velhos preconceitos caem, dizimados pelo bom senso. E daí se o cara é crente ou não? E daí se o cara ouve Lynyrd Skynyrd ou Agepê? O atendimento foi mais que preza. O lanche muito servido e saboroso: recomendo. Então salve o Nick Cave e abaixo ao Max Burguer, Deus Proverá? Não, eu não disse isso. Todas as reclamações, todas as broncas, todas as dúvidas, todas as imprudências: lágrimas de rivotril para sufocar a dor.

O pensamento se retrata trágico, assim meio Máximus Lava Rápido. Tomo muito cuidado para não remover o sono da Sapataria Universo agora. Quantos anos viva na rua nove, cem por cento alive, com a persistência digna dum Bruce Springsteen! Mas se ao longo da existência a SU colheu fama e esta fora inconstante ou não, o que mais salta aos olhos da alma é a fortuna nutrida pelo investidor. Esforços contínuos, portas abertas no decorrer dos dias: na planta dos pés a virtude.

Pode parecer mentira mas poucas quadras dali a Papelaria Pinóquio reluzia galante ante o vizinho Grupo Escolar Coronel Joaquim Salles, fundado em 1900. Quincas e Pinóquio irmanados – e havia o trono etílico do Bar do Buxixo, hoje extinto. Memórias...

Antes de completar quarenta anos, descansarei granadas e granadas da introspecção por toda avenida onze. Em caminhadas absolutamente infinitas, palavras sensatas em embalo ressonante graças ao velho sobrado coletivo ao lado da sorveteria. Com numerosas inquietações durante a degustação do café da Padaria Veneza, em alguma calçada não muito distante da avenida onze, germes de fogo enroscados nos pileques do fígado para o saudoso Lagartixa; aquele homem politizado, muito magro, que sob o torpor da cana expulsa toda a hipocrisa da política brasileira em poucas palavras: não tem mais jeito. Mas Lagartixa é apenas mais uma alma solitária rangendo em trevas, incompreendido, desolado, esperando pela aniquilação final.

Assim dilacerada corre minha sexta-feira. As coisas geralmente podem despencar de uma hora pra outra. Mas a avenida onze revela uma linha verdadeira. Por mais que ataques à carne viva existam. Por mais que os infindáveis flagelos insistam. Nada altera seu vôo. Mas o homem é bem diferente. A rua do coração humano, nervos e ossos em tristeza. E com a sensação de pesadelo, me despeço da alegria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OUVINDO HARDCORE E LENDO ESCRITORES BRASILEIROS E DO TIO SAM

As pessoas estão sem coragem.  As pessoas brincam verbalmente nas redes sociais perpetuando o lado cômodo da vida.  Já é uma bela bos...