terça-feira, dezembro 04, 2012

CHARLES ESTAVA CANSADO




Ele estava cansado. Em quase três horas de apresentação, Charles representara fodidamente no teclado. Era um dos integrantes daquela banda que atacava de clássicos dos anos 70 - reviviam um pouco de Black Sabbath, Rainbow. Ali ele segurava a bronca curtindo uma simpática vibe sem crise, complementando numa boa a sonoridade do conjunto - e meio que tirava uma onda do rolê. "Não sei tocar teclado", era o que repetia em tom irônico, enquanto que aos olhos do público (em sua maioria vestido de preto) no fundo do palco tombava seu ilustre copo americano de conhaque. 



A banda tinha muitos caras metidos à virtuose, essa coisa cansativa da auto-afirmação do ego adolescente e tal. E pra dizer a verdade, no fundo Charles dava era uma banana à todos eles: tocava o seu teclado de modo minimalista e sincero, para sem burburinho dispensar as típicas firulas de índole onanista. Ao invés disso, jogava pro time: podia ser captado realçando os feixes e invisíveis parafusetas das cores principais de cada riff. De óclinhos de grau e marcando o ritmo numa boa com a cabeça, às vezes atacava o teclado meio que sem compromisso, como um anárquico canastrão na noite do rock. E caso se sentisse solitário, poderia trocar um amistoso olhar com o sujeito que estava a sua esquerda : o batera, grande figura, talvez seu único amigo de verdade naquele grupo.


Naquela inesquecível noite de domingo, Charles estava terrivelmente esgotado. Precisava de cigarros soltos e água. Gelada, de preferência. Ao final da apresentação e desmonte do equipamento, queria muito mijar também. Mas a fila do banheiro daquele bar era impossível aos domingos. Assim, aguardou sua vez, com uma paciência baleada e bastante sofredora. Lembrou-se que precisava arrumar sua bike sem falta na segunda-feira, ocasião que resolveu aparecer por ali mesmo, já que já se passava da meia noite na velha Rivers.  Transcorridos dez minutos  , Charles havia mijado na árvore da praça e entrado em contato com a ótima notícia: o cachê da banda, meus amigos, seria um belo sanduíche para cada integrante.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

OUVINDO HARDCORE E LENDO ESCRITORES BRASILEIROS E DO TIO SAM

As pessoas estão sem coragem.  As pessoas brincam verbalmente nas redes sociais perpetuando o lado cômodo da vida.  Já é uma bela bos...