sábado, dezembro 01, 2012


Dois colchões no chão, lado a lado. Duas almas unificadas, um terno acorde vagando pela lua. Manhã de sábado, eu acordo num mau humor de lascar. Pernilongos, pouco tempo de sono, prováveis causas.

Teremos destinos distintos dentro das próximas horas. Ela terá seus compromissos. Eu não - mas mais que um compromisso, guardo ela no meu coração.

Caminho de volta pra casa. Vejo três pessoas cuspindo na rua 1, na altura da Antiga Estação. Ando mais um pouco, Junior Wells escuto com o sol, e de chinelão e bermuda listrada os parágrafos do sábadão naturalmente fluem. Pego a avenida sete, compro o livro do amigo Geraldo J. Costa Jr na livraria do Mário, meu xará.

Depois, a padaria Veneza. Nem preciso pedir: no balcão, o café. Sem açúcar, é claro. Volto pra casa, almoço com minha velha mãe e uma de minhas irmãs. Assisto um pouco da Espn Brasil, aparentemente desinteressado.

Em seguida, mais café. Com as festividades de final de ano próximas, ajudo o pessoal aqui - mesmo sendo um sujeito folgado e preguiçoso, sei fazer força e ajudar as pessoas de vez em quando.


Acontece que ainda não são três da tarde - e enquanto tento ler escutando Muddy Waters e Howlin' Wolf , a saudade me invade, Anita Sandroni.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...