sábado, dezembro 15, 2012



E o velho Ranir resolveu dar as caras por aí. Um dos meus amigos mais antigos, Ranir veio visitar a família e os conhecidos. Depois de uma caminhada mediana, tocou a campainha de casa, uma hora antes do chuvoso sabadão romper pelo céu de Rivers. 


E então o rolê pelo centro e bairros vizinhos. Relembramos as antigas instalações fixadas na rua cinco. Muitos móveis mudaram de estado de espírito nos últimos tempos. Note pelas calçadas, elas contam o quão inimiga pode ser a nova paisagem. Agora destruída toda "inocência do punk rock"? Não. Apenas saudosismo, nasci em Rivers, moro em Rivers. E citamos um ou outro sujeito que morreu de overdose. Mas citamos coisas engraçadas também. Passamos pelo Centro Espírita Fé e Caridade. Esse continua firme, em expansão. Panorama inverso que o da antiga casa bem a sua frente, que estava abandonada. Era uma casa abandonada, mas sonhadora. Agora demolida. Nada por lá. 



Enfim, um sábadão que agora está com a cara de A Whiter Shade of Pale. Horas atrás, a cidade apresentava seu tapete de teto na coloração cinza. E como acordei lá pelas três da tarde, ligando a tela e vendo que existia de fato a rodada do campeonato inglês, resolvi tomar aquele café na Padaria Veneza. Pra lá fomos nós então, eu e o velho Ranir. Depois da caminhada por alguns vazios quarteirões da cidade, espaço pruma jam session. Talvez pra lembrar dos tempos de Bad Bad Trip, espécie de embrião do Garrafa Vazia. No cardápio, uma guitarra e um baixo, fuzz e válvulas, garagepunk na alma. Na sequência da jam, ouvimos um pouco de Blue Cheer, Sabbath, Lizzy, Cactus - e depois o velho chefia vazou, foi-se pra rolar aquele lero especial com os familiares, sagrada comunhão que a varanda da saudade conhece de véio.



E o resto do sábadão continua. Paradão. Não consigo encontrar ninguém vivo no pedaço. O telefone toca, chama, ninguém atende, tudo é inútil, botões são previsíveis. Creio que até os backing vocals da lendária faixa California Dreaming atenderiam alguma ligação minha. Mas, negativo. Pois é. Talvez outro camarada apareça por aí e outra jam session  surja no esquema. Ou talvez o sono convoque minha presença. E morre o céu, o sábado, cinza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu espero acordes que não desistam de cocainar meu dia, mesmo quando já nasceu morto. Espero notas que não apliquem a tortura do t...