Pular para o conteúdo principal

GARRAFA VAZIA NO REVOLUTION PUB, EM RED CITY!


Foi foda. Mais um show onde os adjetivos requerem precisão cirúrgica em busca de uma razoável definição acerca do que foi o espetáculo. 

Domingo, vinte e sete de janeiro de 2013. Mais uma data memorável. Garrafa Vazia no Revolution Pub, em Santa Gertrudes, também conhecida como Red City.





Também presentes no rolê as bandas HDEMA, Processo Criminal e os camaradas do Anguere. E é isso aí. Sem mais, meus amigos. Uma tarde histórica. Porra, tô surdo até agora. Estourei também a mão direita, que derramou o vermelho sobre as cordas do baixo. O sangue jorra, pra combinar com a atmosfera de Red City. Hebert e Vadio, como sempre, destruidores. Irmandade, palavra fuzz. E vida longa ao Garrafa Vazia!






Alguns vídeos do domingo demolition:





Comentários

  1. valter abutre8:31 AM

    Da hora parabéns garrafa vazia , parabéns Mariones!!

    ResponderExcluir
  2. valeu Abutre! obrigado! abração!!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom Garrafa Vazia, vamos nesta boa luta sempre... Quem quer faz, e vcs estão trabalhando muito bem. Sou suspeito para falar, pois desde que conheci a Banda que divulgo os sons no me Programa dominical o "Pedras Que Rolam" a galera do Nordeste agita!Abração, força e união sempre!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelas palavras Beto Feitosa! Agradeço a atenção e a força! Estamos juntos! Grande abraço!!

    ResponderExcluir
  5. Anônimo5:07 PM

    Curti o pé na caixa Mariao....

    Iaowwwwwwwwwwww


    \m/_

    que dia 10 venha a logo...

    Up the Garrafa's

    ResponderExcluir
  6. valeu the legend, é nóis, cê tá ligado, sempre!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …