Pular para o conteúdo principal

CERIMÔNIAS DO SANGUE VESGO


Mania. Mania. Em um blogue da bipolaridade brasileira, o comentário avisava que o Anônimo estava fazendo "regima." Diabetes, fantasma, perder os pés, perna, ter os sonhos decepados numa trapalhada anti-açúcar. A Flock of Seagulls - I Ran. Goles de refrigerante para o firmamento dar de ombros,  na madrugada forrando a pança de refrigerante um humilde rocker da roça avança para o descanso. Impulsividade, o duelo. Boa, ruim? Guarda-chuva. Tempestade de ansiedade na cabeça, enchentes, os dedos sem unhas, os dentes rangendo no inferno que é o labirinto da tensão, sob areia movediça pensamentos incontroláveis que na verdade são digressões de corações ansiosos trazem mais impulsividade, a expecativa é um helicóptero cinza com o combustível renovável num precinho camarada. Vejo o poder de concentração levando bala, metralhadoras em xícaras de café serão cúmplices. Mania. Mania. Ler, escrever, ouvir, ver? Sentir. A Flock of Seagulls - I Ran. Achar o caminho da ruína profissionalmente. Fazer o que se gosta antes que a morte ligue os refletores que cegam o peito. Goles em copos nervosos, cheios de corante. Mais um. Derrubei todo o copo em cima da mesa. Coitado do copo,  que era gordo, derrubei refrigerante no teclado, em cima da Austrália. Fiz merda, é o que diz o Adriano, o ex-jogador.


Por breves instantes, pensei que o Brasil estava em Los Angeles, eu sonhava que iria tocar com os Stones, então me lembrei do jogo de hoje. Que atuação do Barça! O Messi,que não é amnésico, é melhor do que o Pelé, foi o que me disseram, quem teve o prazer de ver os dois brilharem nos gramados da vida. 

Muito gente de fama morre, provocando problemas nos burricos que digitam antes de cagar com a cabeça, com o Pedro Lúcifer a assistir a tudo isso, como se fosse  o relógio parado do mundo, o homem respirando. Religião pra dividir as pessoas, ao invés de religar. E o Pedro Lúcifer lá do inferno com um simples toque no controle remoto pode levar tudo pelos ares. O Percy, que é vendendor em lojas de instrumentos musicais prefere puxar o saco de quem é fera na música sertaneja universitária. O que? Rios de lama no microfone. Comunicação atolado, chove mijo nos seus olhos, Deus está mijando desgraça no seu retrovisor. Nhônho porém, optou por guardar o seu brinquedo na garagem. Tinha os dentes como placas escudos barricadas brancas - e não sustentava arrogância - e tendo começado a percorrer o corredor num passo pesado, pensou em comprar uns pirulitos. Não me recordo de qual era o palpite da Lurdinha para o campeão deste ano da Champions League. Estava muito caro aquele dvd do Van Halen pra tão poucas músicas e pruma performance tão lenga-lenga com o Sammy.





- Tira esse sorriso estúpido da tua cara de merda. 


E então ele fez como lhe dissera. Tinha violado a razão. Bebeu a maça que nada mais era que uma mordida numa fruta que você sentia gosto de café velho e com chulé, frio o chulé impregnando-lhe na alma além do gosto de café, e a pizza de brocólis, o cara veio entregar a pé, morto dentro de uma caixa de fosfóro está você, caindo, caindo, o sono venceu mais uma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …