terça-feira, abril 16, 2013

DEAD KENNEDYS SE APRESENTAM EM AMERICANA



Ícones do punk mundial  invadem o interior com  apresentação inédita


A lendária banda californiana se apresenta em Americana nesta sexta-feira, dezenove de abril, numa noite repleta de clássicos. A abertura do espetáculo fica por conta dos também californianos Fang e do Prole, renomada banda do hardcore nacional, convidada especialmente para o evento.

Formada em 1978 na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos, os Dead Kennedys estrearam dois anos mais tarde com “Fresh Fruit for Rotting Vegetables”, incendiário álbum que revolucionou o punk rock/hardcore mundial. 

Com letras inteligentes, que satirizavam com cinismo a sociedade da época, o disco até hoje é lembrado como um verdadeiro clássico dentro do estilo.

Com um som poderoso, e agressivo na medida certa, os Dead Kennedys formaram uma obra altamente inventiva que dialogou com vários elementos musicais, inclusive com o jazz.

Nos palcos, tornou-se conhecida acima de tudo pela atitude e pela dose extra de energia que carregava em cada apresentação.

O quarteto lançou mais três discos de inéditas e desde 2011, excursiona com sua formação original, com a exceção de Jello Biafra, agora substituído pelo vocalista Skip.

Apesar da reformulação, a energia continua a mesma. O novo vocalista entrosou-se perfeitamente com os integrantes originais, trazendo de volta toda energia que caracterizou os Kennedys, conquistando assim novas gerações pelos diferentes países por onde passa.

Voltando de uma bem sucedida turnê europeia, a banda aterriza pelo Brasil para concorridas quatro apresentações. Os outros compromissos serão em Curitiba, São Paulo e Recife.

FANG

Formada no início dos anos 80, o Fang é uma das precursoras do aclamado punk rock californiano. 

Com base na cidade de Berkeley, a banda estreou com o álbum “Landshark”, em 1982. A primeira faixa do disco, “The Money Will Roll Right In”, ficaria famosa anos mais tarde interpretada por Kurt Cobain, vocalista do Nirvana, ávido colecionador da produção independente do período.

Com uma postura anárquica em suas letras, a banda  apresenta um som coeso, com harmonias sujas e marcantes. Suas levadas, ora cadenciadas, ora mais rápidas, fizeram escola para muitas bandas alternativas, inclusive tornando-se influência direta para o Sonic Youth.

PROLE

 Com quinze anos de estrada o Prole é o representante nacional da noite. Com letras ácidas sobre injustiças sociais e notícias cotidianas, a banda, que já atuou com nomes como Marky Ramone & The Intruders, Fugazi e Ratos de Porão, é um legítimo expoente do hardcore-punk brasileiro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

OUVINDO HARDCORE E LENDO ESCRITORES BRASILEIROS E DO TIO SAM

As pessoas estão sem coragem.  As pessoas brincam verbalmente nas redes sociais perpetuando o lado cômodo da vida.  Já é uma bela bos...