Pular para o conteúdo principal

FEIRA DO VINIL E AFINS EM RIO CLARO




Hoje fui até a Feira do Vinil e Afins, aqui em Rio Claro.


Organizada pelo Rogério Jazz (luthier, guitarrista do Dezakato, na ativa enquanto músico desde os 80') , Jhonny (do sebo Outras Histórias) e Júlio Marcondes (Rádio Shock Box), a feira no Centro Cultural está cada vez  melhor!

(Caso tenha me esquecido de alguém da organização, peço desculpas. E dou meus parabéns também!)

Muito bom rever os amigos, comprar discos clássicos, trocar altas ideias sobre música, rock and roll, sempre naquele clima de terna camaradagem, no sossego total.


Deixo aqui um grande abraço ao Pedrão lá de São Carlos. Grande Pedrão! Artenaativa Ateliê Coletivo há tempos prestando inestimável serviço ao rock and roll! 



Grande abraço ao Neves também, atencioso, de responsa, atuando bravamente com sua "Neves Records"!



É, o sabadão representou.

Saí de lá com alguns discos muito fodas. Que irão render audições igualmente fodas. Sim, a MÚSICA de verdade ainda existe, meus amigos, por incrível que pareça.

Enfim, que esta valorosa iniciativa não tenha fim! Parabéns novamente aos organizadores e também ao Jornal Cidade pela divulgação!

Vida longa ao evento, vida longa ao vinil! 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …