segunda-feira, julho 01, 2013

JOCA EMPINOU A MOTOCA


Joca empinou a motoca. 

E seguiu adiante. Era pura pose, acelerando a bichinha, empinada. E ia descamisado, pagando de gatinho, como se o pessoal do bairro fizesse questão em fotografar aquela cena radical. 

O domingão ensolarado na roça abençoava algumas famílias unidas, que aproveitavam a fortuna da ocasião pra dar aquela pratada em conjunto, acionando e intercambiando ideias, afetos, velhas memórias, cenas bacanas do passado. 

No caso do Joca, era a rebeldia quem providenciava o cardápio. Almoço em família era coisa de trouxa. A motoca empinada é mais negócio. Empinar motoca era o seu vício. Inconsequente,  armava a pose, Joca empinou a motoca sorrindo de óculos escuros - com armação branca. Ele era habilidoso, e a motoca ganhou ainda mais velocidade, até bater de frente com um Escort XR3. 

O motorista do veículo foi arremessado contra o pára-brisa, quase saiu pelo teto, e rachou o crânio no poste. Morreu na hora e o Joca também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ROCK NA ROÇA

O que me empolga numa cidade ananias são as pessoas. A trutagem é o céu da roça, que resiste ao peso dos dias. Caminhar, caminhar n...