segunda-feira, julho 01, 2013

RODOVIA FINKEY


Rodovia Finkey. A ambulância voa, desesperada. No volante, está Washington, um senhorzinho razoável.  Tem as mãos firmes para trocar as marchas, mãos de um homem de 52 anos. 

E o comando dos pedais? Bem, Washington tem o pé de chumbo, bruto, violento. Sem crise, acelera nervoso - ele pisa muito forte, pela noite. 

A ambulância está voando, literalmente. A ambulância rasga a Rodovia Finkey. A ambulância treme toda, podemos sentir suas portas padecendo em calafrios, inclusive. Mas a ambulância voa, ela dispara. A ambulância vai a milhão, com seu velocímetro perto dum enfarte fulminante.

E em seu leito, ela leva Taiane. Taiane é uma dançarina de axé. Ela está com problemas. Precisa de cuidados médicos, urgente. Pela louca madrugada, a ambulância voa, enlouquecida. E sem querer derruba Taiane, que morre atropelada na pista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OUVINDO HARDCORE E LENDO ESCRITORES BRASILEIROS E DO TIO SAM

As pessoas estão sem coragem.  As pessoas brincam verbalmente nas redes sociais perpetuando o lado cômodo da vida.  Já é uma bela bos...