Pular para o conteúdo principal

amigos em semana de shows e shows, garrafa vazia nos rolês, bruce springsteen na tela, sábado alegre e jovial, aquela jam rock and roll, pássaros em santa maria rodeando em candura a semana, saudades do meu amor, meu sangue, ela,

E então você está conectado com o mundo, as pessoas estão bem, você está numa boa.


Sete da manhã, Highland dublado no TCM.



Noite perfeita com minha companheira, noite de conversar na porta da casa com os amigos, o céu sem crise apadrinhando altos papos no circuito do bom humor constante.



Daqui a pouco lá vamos nós pra Cordeiro, pegar um ônibus circular e plugar os instrumentos pra tocar um som sincero, porque sem sinceridade a vida é uma bosta, os calos apertando os sapatos, mas acontece que é diferente.



A última vez que o Garrafa Vazia tocou por lá foi em 2011. Na praça. Lembro que demoramos pra tocar nesse dia, enrolamos. Acabamos sendo a última banda e como o evento começara bem mais cedo, boa parte do pessoal já havia vazado. Mesmo assim foi legal pra caralho. Os amigos cantaram juntos os sons (tem até um "ao vivo" desse dia registrado somente em áudio no Youtube) e o clima de camaradagem foi firmeza. Lembro que no dia anterior havíamos tocado no ABC com uma pá de banda foda (Excomungados, Subviventes, Juventude Maldita, Invasores de Cérebro) e no final do rolê no domingão o Hebert e a Tabata estavam esgotados no banco da praça, numa mistura de sonambulismo e heavy cansaço.



Legal desse semana foi que troquei uma ideia visual com uma passarinhada maluca lá em Santa Maria da Serra. Com saudades da minha companheira, que saudade, que saudade. Como faz falta, a minha Nízinha. 



E agora ela aqui, dormindo ao meu lado. Estou vivo, no elevado, o céu o coração é tudo dela, é dela, amo você Anita Sandroni.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …