Pular para o conteúdo principal

RESENHA: DISPARO - À PORTA O CAOS E A DESORDEM



Segundo trampo dos caras de São Carlos. O Disparo é um trio: Xinxa (vocal/guitarra), Rafael (baixo) Guilherme (bateria).


Impressões sobre o disco "À PORTA O CAOS E A DESORDEM"

(sim, o disco possui duas versões, duas capas distintas, mas com o mesmo material)


***




Você acorda dentro dum vidro de maionese. 


Agachado, encolhido. Você respira ali - enterrado -  amparado em claustrofobia. 


Detalhe: no vidro não há maionese, há clorofórmio. Mas só a sensação dele. 



O clorofórmio toma parte da tua nova essência, soterrada. 


E em seus ouvidos a ruidosa devassidão encontrará abrigo. 

A trilha sonora é inerente a tudo isso. É a composição completa: o desnorteio, vidro, você como feto, a cabeça apertada num capacete de ferro invisível. Você vai morrer encolhido. O clorofórmio avança dentro das suas narinas secas em clausura. Alavancando seu córtex cerebral, a devassidão, como se corroesse cada litro dos sentidos. A ruidosa devassidão interrompeu a vida, qualquer raciocínio, ela não se afasta: agressão.

Atenção funcionários terrestres que perderam todos os dedos, atenção para o desmanche térreo, em meio segundo o pleno funcionamento da medicina extinto, com manchas d-beat nos motores do ódio a humanidade perdeu sua medula.

Uma parede de concreto se desfaz então, torna-se xampú, massageando-lhe os cabelos. 

O vidro é seu lar completo, e o clorofórmio abstrato e concreto contém a benção de um pedal de distorção esculpido em cimento podre, sufocado em terror. 


Noise infinito ao fundo da tua pele, "à porta do caos e a desordem". 

O baixo ajuda a triturar a pupila do mundo, na passeata  do nervosismo  anti-classudo, aquele velho estilingue que Lúcifer perdeu durante o afogamento de Gibão Galiléia.

Dez minutos. Dez minutos. E a composição de batidas é avassaladora. E os vocais graduados no desespero imundo agudo. O conjunto da obra conta com a exibição de uma mortificação sem nenhum sintetizador bacana, semeado em aborrecimento diante dum cotidiano besta e sem sentido o disco sedicioso risca o risco, farinha de mandioca em larvas na tela, um disparo no teu cú, o Disparo.




Ouça o debut dos cabras em:

http://disparodbeat.bandcamp.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …