terça-feira, outubro 15, 2013

RESENHA: AÇÃO TÓXICA - AÇÃO E REAÇÃO (2005)




Bumbo que vai é bumbando sua mente.


Riffs nas cordas cortantes, a rua agora vive contra-mão, veloz-alucinante.

Baixo e guitarra e batera unidos em rapidez constante – que vão rasgando com fúria o coração do ouvinte - eis aqui o lendário Ação Tóxica, de Porto Ferreira-SP.

O disco “Ação e Reação” nasceu em 2005.

São nove cacetadas de arrepiar o esqueletão.

A primeira música é um singular ritual hardcore,verdadeira iniciação ao coro.

Orquestração da vingança - no recheio solo frenético, gritos de paura com mosh, pacotão doido que relembra “The Garden of Earthly Delights” de um Bosch absintado em  Diógenes, chimbalanceira desgracenta no seu aparelho sensorial cheião de drive e satisfação.

É:  e a bateria assinada por Vareta é assassina, ruge o vândalo do hardcore, no piloto da percussão avassaladora que não se cala por nada, que destrói o próprio caos.  Vareta toca com alma, como poucos.  


Bem, antes de prosseguir, devo dizer-lhes o seguinte: esse disco é um dos meus favoritos da atualidade.


A admiração pelo som dessa rapaziada é crescente. 


Você fecha os olhos e ouve o disco no céu do inferno, será que vocês me entendem?


Você assiste ao vivo, e sabe será cada vez melhor, já vejo o Thiagão Magnani no bass berrando feito um louco em palhetadas que preocupam Einstein.

A intensidade do som é algo semelhante ao Cristiano Ronaldo meter 3 gols num dia e aí o Messi só de birra marcar 6 no dia seguinte - só que melhor, sacumé?  Mas não, vamos ver de outra forma, calma...


Vou usar outra expressão, longe do futebol: o Ação Tóxica criou a NBA do hardcore de rua, batismo de navalha que ilumina nossas veias.


E assim o disco segue com “Políticos”.

Puta letra. “Filhos da puta”, o coro anuncia , o baixão comendo solto e selvagem atropelando todos os prédios de lama do pesadelo urbano. 

Tóxico no poderio avante, com poder de desvendar o crime coagido com inteligência no trato, o Ação Tóxica vem voando baixo, perfurando Marte!


Vejo o Vareta cantando junto cada verso, baquetando em fúria, e em meio às suas pausas sereno, segurando o prato de ataque com a inclinação de caboclo matadô, sem piedade marretando tudo e com algumas beers na bolota, se pá. 


Veja bem: você está no seu quarto, e olha pra cima: uma fumaça invisível vai tomando conta do recinto, você ouviu o Ação Tóxica hoje, tá certo?

E essa atmosfera “peculiar” vai criando um terreno de graves terríveis no éter com a camisa do Cólera, e as paredes recebem graves bandidos, médios trêbados, agudos mortíferos: freqüências que vão abençoando em correria e empolgação nossa bomba-relógio, que avisa que suas poucas horas de vida na terra estão bem entregues à cachaça metafísica do “faça-você-mesmo”.

Sim, e a guitarra vai cortando firme, é o Ação Tóxica hardcore-navalha no globo!

Então surge o solo de “Ataque Suicida”, que explode ainda mais os destroços de um funesto amanhã, deixando os vestígios nos seus dedos: você quer o repeat, sacumé.

Impossível manter-se parado durante a audição desse disco.

É de arrepiar, esse café.

Ouça “Ação e Reação” pelo menos uma vez por semana. Note que as pessoas na rua ganharão semblantes diferenciados, pode apostar.

E “Lixo cultural” é uma das parladas que aparecem na seqüência. 



Baita canção agradável, que arrasta você pra Praia do Pogo.

A areia sob seus pés é parceira e a curtição sem fim.

Tá todo mundo renascido no pogo, na vigília dos dias o pogo cumpre sua humirde função, em belda lucidez nós vamos pogar até morrer.

"Parasita" vem na seqüência, com uma levada de responsa na proposta.

Tem uma parte cadenciadona que enche o peito de fúria, porque as letras do Ação urgem protestando com punch, são reais, concretas pedradas na janela do mole conformismo.

Depois, é a hora e a vez do HINO tomar conta da cidade, os ouvidos refeitos em pura alegria: "RAMONES É ROCK AND ROLL!" Animação, alegria, anarquia e chapação dos sentidos: hey ho, let’s go!

E pra fechar com chave de dinamite vem “Estamos no começo”, com gostinho de i wanna more, hijosdeputa!

 Que registro! Que disco! Ao final da audição, este trabalho faz o mundo dos adjetivos ficar desprevenido!

Ação Tóxica derruba você, é a trilha perfeita pra você almoçar euforia enquanto janta respiração hardcore - sentindo-se mais vivo do que morto-vivo você está mais-do-que-vivo - mais pilhadão e obstinado que alheio e normalzão, eis você aqui mermão-  viva o hardcore-navalha do Ação!


E porra, vai tomar no cu. É a quarta vez seguida que escuto esse discão nessa agradável madrugada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

pode apostar, Lindomar

confuso, vagabundo, folgado. louco por futebol e rock and roll, aquele flamejante, conhece? incendiário, de libertação. louco por liter...