quinta-feira, novembro 21, 2013

AS CRIANÇADA E SEU LEGADO CAFONÃO

Eles contam o mundo pra gente, a gente acredita - nós custeamos a Luciana Gimenez lendo Artaud, a Ana Maria Brega explicando como curtir os clarões do Cézanne, o Gilberto Barros declamando Rimbaud no originalzão - enquanto o João Kléber verbaliza meandros de Le Corbusier.

E enquanto isso eu vejo AS CRIANÇADA qui na internet só consumindo. Ninguém sai do faceburro.

Você não é que consome, Júnior.

Daqui dois anos, dez anos, três segundos esses caras serão uns grandes merdas.

Não adianta fingir.


Eles são uns peidos. Só apontam escolhas pra se "AUTO-AFIRMAÇÃO" da maneira mais cafona possível. Não contextualizam, reflexo é o do celular no manequim clichê - porque antes de tudo não são eles mesmo - são apenas cliques e respostas prontas.

Léxico de semáforo? Léxico de gírias pirulito.

São cliques, compras de internet, consuminho arroz com feijão. 

Fotos e vídeos, MARCAÇÕES.


Eles acham que são - nem isso eles são. Mas pode ter certeza: eles são uns belos duns merdas. 


Que merda de mundo vão deixar? 


Mundo?

Uns tangas que não respiram, não enxergam, não contemplam, não debatem, revoltam-se e depois batem uma punhetinha mp3. 

Risadas, continha de mais - só espetacularizam a própria burrice, a mediocridade do fácil. 

Se eles criaram o novo vazio, o vazio do vazio, isso é apenas um link cheiroso com gosto de ferramenta pró slave.

Um comentário:

  1. sei que é sério, mas punhetinha mp3 matou a pau, hahahahahha......

    ResponderExcluir

ROCK NA ROÇA

O que me empolga numa cidade ananias são as pessoas. A trutagem é o céu da roça, que resiste ao peso dos dias. Caminhar, caminhar n...