Pular para o conteúdo principal

EM 2014 QUERO ESCREVER O LIVRO QUE NUNCA ESCREVI

Torcer para o Japão na Copa. Ouvir 2 Minutos, o punk rock argentina alegra a alma, irrompe uma ventilação pela alma, agora mais cheia de juventude. Tostão toca para Pelé, México, 70. Sossego, mergulhos na piscina com os amigos, paz e alegria, memórias, saudades, histórias, três acordes, leituras, literatura-soco, filosofia-rua, Chico Anísio e seus cacoetes em riba, Chico Anísio soando ingênuo - zapeada no Viva, assistindo Street Fighter dubladão com os amigos, sofázão dando cobertura para a sonolenta madrugada, orvindo agora Tears for Fears sem legenda, e se preparando para algumas linhas de Kerouac antes do cochilão. Jéssica, Marcos, Hb e Tablitis, Canetinha, ano novo e o elevador fraterno da bonança guardando lembranças coração de ouro puro, Black Sabbath e o calor da convivência que dá gosto. Escrevo algo novo em meu velho caderno preto. Por lá deixei morrer um projeto de livro desinspirado. Comecei outro agora: comecei, a campainha tocou umas cinco e meia da tarde! Aopa, surge mais uma chance de ganhar um troco, subemprego também reluz folia, eu ouvia Ação Tóxica, é porrada na orelha, porrada violenta hardcore-navalha a orelha Tóxica em Porto Ferreira eu ouvia a gravação do ensaio-demo de 2006 - que em segundos deixa-lhe pedalando no gás uma Caloi 10 invisível pelo meio da noite de Marte - céu vermelho e tranquilão, bicicleta sem freio, impulso sonhador, e o tempo escorre lentão, chapadão de alegria nos nossos chumbados corações reconhecemos os pequenos gestos de humanidade ultrasambarilóvipunkblues, contente estou, com o sábadão da alegria-microfonia estarei ainda mais, 2014 é rock podre, peidão-otimismo pelos cotovelos e satisfação pra encarar a sarjeta, ruínas existem mas la fuerza es la fuerza, chegou a hora chefia, é maior a gaia que o cansaço dentro das meias dos acasos dos dias, os irmãos respiram livres, os irmãos estão aí lendo Camus, piscina e churrascão antes da garoa, apaixonado pela minha amada, voltando o rádião pelos anos 80, por tudo que irá acontecer e já aconteceu, sem crachá lá vamos nós, as mesmas e nuevas aventuras e roubadas, a ficção literária, um filmão farofa no cinema, um rápido lero com a Dona Cida ao telefone, Zanzibar pirando na Argentina, Mandela is dead, e meu coração é dela, três anos, três anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …