Pular para o conteúdo principal

REMELAS DE MARÇO


Minha casa está dormindo.

Entro na cozinha. Ih, o fogão cochila.

O silêncio é pesado, embora tranquilo.

Vamos lá, existe o corredor.

Mas antes do corredor, uma pequena varandinha ali, área de serviço - onde o calor impera, reina, e chega pra bater um papo estufado com a máquina de lavar roupa.

E à noitinha, as cachorrinhas sabem que vão dormir por ali. No conforto, nas caminhas.

A Isabel é fox, paulistinha. Anda gordinha demais, possível problema naojoelhinho é caso sério, mas será que tudo isso não é mera especulação veterinária?

Já a Daisy é estressadinha. Mais velhinha. É ferinha. Gosta de rosnar, reclama por tudo. No passado, teve sérios problemas com convulsões. Hoje, porém, está medicada. Nunca mais teve problemas. Apenas curte a vida, sem crise.

Você sabia que vários pinschers tem derrames depois de mais velhos e é possível evitá-los? É sério.

Enquanto isso, a casa está dormindo.

Portas fechadas. Piso intocável em vários pontos do aposento, veja bem.

Logo mais os jornais serão arremessados na entrada.

Mas aí já é outro papo.

Não quero falar sobre mídia, jornais.

Prefiro falar de Gógol, de bandas de punk rock aqui das redondezas, e algumas da América do Sul.


Ou mesmo ouvir Queen. Queen sempre foi escola. Eu ouvia Queen com minha vózinha. Eram bons tempos. Eu tinha uns 14 anos, eu tenho saudade.

Mas enquanto isso a casa dorme.

Se você der uma volta pelo centro da cidade, não encontrará nada. Rio Claro é pacata, parada, no centro.

O centro morreu. O centro corresponde, responde por um terço da cidade.

Veja a Rua 4. Porra, tanta coisa boa por lá e agora nada.

Os cinemas viraram cadeias para retardados. 'Filmes' dublados em um país onde a educação é prioridade (por favor, vamos rir, vale a pena), a educação no Brasil é show. 

Todo mundo aqui desde cedo já brinca de bater bola com Graciliano Ramos. Os intelectuais não são pequenos-burgueses, não existem reaças e os socialistas do passado não são lobinhos em pele de cordeiro com o pé de meia ajeitadão.

Não.

As coisas acontecendo lá na Ucrânia, na Criméia e o coleguinha pensando em Big Brother.

13 mil apartamentos antes reservados cancelados pela Fifa para a Copa do Mundo.

Somos antifas e antififas.

Acontece que a Olguinha, dentro da sala, ah, a minha gatinha branca que às vezes tem olhos de omolete, a Olguinha dormiu, em pleno sofá.

Remelas de março.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …