Pular para o conteúdo principal

COPA 2014 !





Começou a Copa no Brasil, 2014 lá vamos nós.



Informação é tralha, metralhando a paciência antes-durante-após os jogos. 

Todo mundo tem o veículo, o foda é saber guiar.

E com sete horas de atraso, veio a abertura. 

Rolou um jovial jogral envolvendo a Maísa apresentadora, a Glória Maria com a camisa da Portuguesa e a Regina Duarte. Tivemos um adestrador de dóceis cãezinhos distribuindo cartões e dicas pra depois vir a música! É! Com o Ray Charles numa blind leitura para Claudinho e Bochecha, Ray vivo no tecladão CCE, "puro playback" disse o pessoal roqueiro do Jota Quest.

E o Faustão? Magrinho, magrinho saindo do centro do gramado, folia programada, era cuspido fora da nave da Xuxa, pra encontrar com o Gugu de cueca vermelha, tórax sensível que driblou o Fausto e acabou dando selinho no Ricky Martin, que na verdade era o Luciano Huck de mentirinha do Pânico, muito engraçado.

A Fifa ignorou o cientista brasileiro e o exoesqueleto.

Mas a entidade tem um recurso bacana agora, avisando quando a bola entrou, traz uma visão área que faz da partida um tele-jogo.

Fuleco, o mascote, é ânus em alemão, e está trocando figurinhas. 


Enquanto isso Kélcio queria virar mártir com o sentimento anti-copa. 

Muita argumentação foi gasta, uma loteca do achismo melindroso. 

Vários amigos inclusive exageraram no emprego da xaropagem e ganharam cancelamento instantâneo de assinatura do Facebook.

E dá-lhe porrada na púliça em SP, famosos lendo Stanislaw no mictório, capacete do SBT usado como bola, e o Marcelão empurrando pra dentro, um a zero Croácia.

O hino cantando em uníssono deixou o Galvão todo Arnaldo.  

Ingressos a preços populares.

A chuva não afetou a grama gringa.



E o Itaquerão chorou mijo Heineken, e aí que a Dilma na pilha soltou um pum no camarote, pum que foi facilmente abafado pelo hálito do Zé Blatter.


E o Brasil levou por 3 a 1, e o Oscar barbarizou a Croácia.

Questionado pela mídia sobre sua titularidade tão questionada, Oscar basicamente foi de PS3, e na véspera foi-todo discografia do Katinguelê, chuteirinha moral  e o Felipão de roupão sujo de sucrilhos trouxe até uma almofada do Pluto pra fera sonhar com o barbante.

E o mundo inteirou parou para rever o lance do pênalti em cima do Fred.

O que poucos viram foi que, na hora h, o centroavante ficou vesgão igual o Quico segurando a panela quente. Aí foi fácinho pro japa assoprar, que foi legal o lance pra se apitar alguma coisa. 

Enquanto isso, Leonardo di Caprio ouvia Bizarre Love Triangle na Web Rádio Xibóquinha, de olho no Kaká.

Depois vieram as inovadoras entrevistas, coletivas com Tampico de fundo, assessores de imprensa e seu chantily de eufemismo, chuteiras coloridas com cadarço analfabeto, etorcedores xaropes reclamando que faltou clima de Libertadores e maços de Eight em pontos estratégicos da Avenida Bandeco.

E hoje Camarões apanhou do México, com o destaque para a arbitragem, que é bem péssima, "é muito treino."

Outra coisa chique: o discurso da Espanha (do cafetão Casillas) ! Discurso que soaria arrogante se ela não passasse de uma quase França das Copas.


Rascunhão em cima da hora pruma Copa ainda rascunho - e simbora que o Van Persie é decisivo. Holanda 1 X 1 Espanha, final do primeiro tempo. Cadê o recorde, Casillas? 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …