segunda-feira, julho 06, 2015

DE DOMINGÃO O BIG BAR DEITA UM COCHILÃO


Aos domingos o Big Bar descansa.

Afinal, o templo precisa de mini-férias.

Pobre Rio Claro: então o Centro morre - a Rua 8 para, a Avenida 7 estanca.

Descanso merecido.

Porque Big Bar é foda.

Abriga existência crua, faísca e fogo em cada pedaço do piso, da parede.

O climão é de vida solta.


E o detalhe importante é que os atendentes são profissas: nem xaropes, nem amigões de mais (invasivos?) - os caras são fodas, sintonia total.

Ao adentrar o cliente chapa com o american bar, cardápio generoso parindo lanchão nervoso, chapa quente derretendo napas, é o mundo de biritas aliado ao conglomerados de  várias telas estratégicas pra ver aquela futeba na responsa.

Eu vou bastante lá com o meu primão, o Casão.

Mas o Big Bar não era bem o assunto.


Mas quem precisa de assunto?

Quem precisa de fluxo?


Precisamos é de vigor.

Persistência e vigor, sempre.

E foda-se.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ROCK NA ROÇA

O que me empolga numa cidade ananias são as pessoas. A trutagem é o céu da roça, que resiste ao peso dos dias. Caminhar, caminhar n...