sexta-feira, julho 10, 2015

JANDIRA, OLHA O SERENO, JANDIRA



A Jandira é o buço vigoroso, é a banha banhando pelanca é o braçola bíceps molenga, é o buço tingido de leite.


Leite de caixa. Natas? Detesta, despreza. Leite tem que ser quentinho, ela divide com o gatinho.

Sereno é uma companhia e tanto.

Pretinho e fofinho, ele é gordinho: gatinho pulinho groselha que não conhece o espanto.

Percebe os dias em passos pisos puros, límpidos, descansadinhas as pegadas, pegadinhas e depois deitará ronrom - ronrona na coberta verde - olha aí ela: é a Jandira satisfeita, refeita, deitada cobre de carinhos a carinha do gatinho, e ele ronroninho, depois boceça largo e eterno,  um quentinho coração de calmaria, minha nossa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ROCK NA ROÇA

O que me empolga numa cidade ananias são as pessoas. A trutagem é o céu da roça, que resiste ao peso dos dias. Caminhar, caminhar n...