Pular para o conteúdo principal

pode apostar, Lindomar

confuso, vagabundo, folgado.

louco por futebol e rock and roll, aquele flamejante, conhece? incendiário, de libertação.

louco por literatura, dos craques nacionais aos gringos, sem academicismo mas sem bosta seller. 

falta-lhe 1 parafuso, disse Denílson. falta-lhe aplicar o modo gregário para alguns usos da chamada responsa social, mas, na grande maioria das vezes, ele é deselemento antissocial mesmo: com gosto, sem banho sem se importar pra nada, respeito por nada, foda-se, vagabundo e folgado, madrugada longa, trancado e respirando as paredes, todo angustiado.

algumas madrugadas são bem alimentadas nos filmes dublados com o Adam Sandler e o Jim Carrey. E o Eddie Murphy, porra.

Ele bebe gostaria que ficasse registrado: café sem açúcar. Lê Lima Barreto, gosta do estilão dele, do mestre Graça, do lado dedéu do Stanislaw - e ele sonha em gorfar fogo escrevendo, planeja de um jeitão demente e errático seu livro de contos há mais de 12 anos!

12 anos!

qual temática? 
vida adulta? 
desdobramentos insanos nos passos da violência urbana ou violência rural? 

incomunicabilidade bergmaniana nos porões russos da visceralidade ?

narrativa com trilha sonora focando objetos de espírito desanimado?

sorver a memória para grandes partidas num passado não distante de um futebol hoje tontão, robotizado? 

paginar a triste vida cotidiana de um SOLIOTÁRIO? quarto imundo de um adolescente véio sob nuvens de thc, ventilador gigante girando preso na parede enquanto o quarto abafado acompanha o leitor de Lima Barreto, aquele mesmo que joga trocentos ganchos nas injustiças sociais,  em brutal denúncia ante os abusos contra as mulheres em Clara dos Anjos?

E pra ouvir?

Ella, no vinil.

E?

Se ele ouve o que realmente procura, ele muda o ânimo pró pennywise, fica ligadão.

Mais café, mais café. 500 ml, no mínimo. Café, é até morrer.

E pra ouvir?

Hardcore. Blues. Blues. Punk Rock. Rock junkie, rock sujo. E um pouco de Cartola, às vezes. Sexta-feira mofando em casa, esteja acordado cedo pra trabalhar. Trabalho manual.

Mas voltemos à madrugada: mas é assim mesmo, com o violão procurando a canção coração café e lero com os amigos mortos, ele Lou Reed conversa bastante com eles, todos eles Lima Barreto, está escrito na alma - pode apostar, Lindomar.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CONVERSANDO COM LÚCIFER

Só ontem fiquei sabendo da tragédia. A alma grandalhona de Barra-Forte voltava da academia Apolo e BLUM! conheceu a fúria do Passat 87 cinza, cinza como a indiferença dos deuses. Igor Bilu tinha todo o rosto ralado, eram as barbas de sangue e asfalto vencendo sua estupenda força. Estava derrotado. O autor do atropelamento aproximou-se, pálido: - Amigo...quer ajuda? Desculpe, te levo no hospital...Não tive culpa, você que não viu o pare. Curiosos se amontoavam pela esquina da avenida 29 com a rua 4. Luciano do Valle disse-me ter visto o zumzumzum, ambulância, helicópteros, curiosos amontoados pela esquina. No entanto, nem sequer reduziu a marcha da S-10, seguiu para o Bar da Montanha, em Limeira. Desaprovo isso, Luciano. Na hora que precisastes do pobre lutador para montar a série de televisão na Gazeta, a já extinta "Combates Seminais", encheu-o de elogios, incentivos, mimos confessos, potes de creatina. Cretino (não tive como conter essa, leitor). Igor Bilu nem deve ter compl…
E eu perguntei pro Casão:
- Mas você tá a velocidade do raciocínio tá igual a do Peter Tosh pra fazer taboada?

voadores

Por favor, gentileza: mais uma dose dessa languidez. Mais uma dose lânguida e precisa, em camadas de vento tão leves, breves. Esparramado aqui dentro da mente, esparramado e mais uma dose dessa languidez que vizinha da volúpia ataca, passado presente futuro, céu vermelho, céu de sangue, mas não há resquícios de salvação, redenção e essa sintaxe toda.
Os lânguidos estão trêmulos, uma coisa inútil, tão verdadeira e dilacerada. Crescem, tomando entre as esquinas dos esquecidos seus porres melancólicos. Então, o quarto escuro, o corpo deitado.  A mente exige o holofote em off,  o botão mute, mas não haveria porra nenhuma.  Como cegos e inconsequentes gestos malcriados, languidez e perturbação começaram a disputar o bingo da desgraça, instantes desnecessários erguiam-se trágicos. Pensar era difícil.  Dentro de alguma cozinha alguém provocaria uma desastrosa cena de ovo e pele queimada na altura da barriga, mas o fogão é apenas alguém que vai ficar parado quando você morrer.  Estouros entre …